sexta-feira, 23 de abril de 2010

JUSTIFICATIVA

Por não haver um veículo de mídia voltado especificamente ao estudo da moda, existindo somente artigos que divulgam aleatoriamente os cursos relativos a esta área, vê-se uma oportunidade para organizar em uma única pesquisa, todos os tipos de cursos pertinentes a cadeia de moda.

Essa pesquisa mostrará a dimensão do estudo da moda no Brasil por regiões. Devido ao seu caráter exploratório, esclarecer-se-á aos estabelecimentos de ensino atuais, aos docentes, dicentes e possíveis futuros alunos(as) a crescente dimensão e abrangência do “Ensino da moda” em nosso país. Somado a isso, também possibilitará uma reflexão por parte das instituições que poderá incentivar a abertura de novos cursos e/ou organização dos mesmos.

Para ajudar a entender a importância da cadeia de moda para o Brasil e o mundo, a Associação Brasileira das Indústrias Têxteis (Abit) registrou em 2005, que o setor têxtil e de confecção brasileiro detinha 1,65 milhão de empregos formais e informais e mais de 30 mil empresas em toda a cadeia produtiva. Atualmente, o Brasil é o segundo maior produtor de denim do mundo, sexto maior parque têxtil do mundo e oitavo maior produtor têxtil do mundo.

A cadeia têxtil é o segundo segmento que mais emprega no país, com a participação de aproximadamente 12% no PIB nacional, estando em franco crescimento, o que gera novas e excelentes oportunidades para profissionais qualificados. Aqui mercado de trabalho abrange fiações, tecelagens e malharias, empresas de beneficiamentos em geral, confecções, varejo (loja de departamentos, hipermercados e franquias), empresas de assessoria e consultoria de comunicação de moda, empresas importadoras e exportadoras, entre muitas outras.

Com todo esse desenvolvimento do setor, atualmente muito se fala sobre a importância da profissionalização, atualização e constante reciclagem do conhecimento. Artigos e mais artigos abordam a necessidade de mais estudo aliado à experiência. Carlos Henrique Araújo, diretor de Avaliação da Educação Básica do Inep/MEC e Nildo Luzio, assessor da Diretoria de Avaliação da Educação Básica do Inep/MEC, comentam no site da Inep (vide anexo P) que “Indivíduos mais escolarizados têm melhor inserção no mercado de trabalho e obtêm os mais altos retornos em rendimentos”.

Tendo isso em vista, as empresas estão encarando isto como uma oportunidade de melhorar seu quadro de profissionais qualificados, como também de abater da contribuição à Previdência Social o valor aplicado em planos educacionais. Ou seja, estão investindo cada vez mais na educação de seus funcionários para conseguir menores cargas tributárias do governo.

Segundo dados levantados pelo Censo da Educação Superior em 2005, o universo acadêmico indicava 2.398 instituições, 20.407 cursos, 305.960 funções docentes e 4.453.156 matrículas no Brasil. Destes, como já citado anteriormente, 99 são Instituições de Ensino (4,5% do total) que possuem cursos de moda e 135 são os cursos (0,6% do total) relativos a essa área. Podemos ainda ressaltar que as matrículas dos cursos de moda no Brasil ultrapassam a quantia de 50 mil no total.

Sem comentários:

Enviar um comentário